Festas Académicas

Ritmos diversos, cor e fogo foram os ingredientes de mais uma madrugada da QF’24

Bruna Fontaine

Recinto cheio recebeu Van Zee com músicas na ponta da língua. Vini Vici fez público e chão da festa dos estudantes vibrar com seus tons. Por Bruna Fontaine

Entre o ‘pop’, o ‘hip-hop’ e o ‘trance’, a sexta noite da Queima das Fitas 2024 (QF’24), continuou a fazer tremer a Praça da Canção no dia 29 de maio. James Bay, Van Zee e Vini Vici, cabeças de cartaz da noite, preencheram o Palco Fórum de Coimbra de luz, fogo e energia. Os ritmos ecléticos coloriram a madrugada e animaram o recinto cheio. Além dos artistas que ecoavam na mente do publico, o Coral Quecofónico do Cifrão também tomou conta do terreno e deu por encerrada as apresentações no palco principal da festa dos estudantes.

As pessoas amontoavam-se na frente do recinto da QF’24 quando às 23h59 James Bay subiu ao palco. O artista britânico, mais conhecido pelas suas baladas pop, estreou o palco ao som de “Best Fake Smile”. Acompanhado da sua equipa e das suas guitarras, o músico conseguiu envolver o público animado, seguindo com as músicas “Just For Tonight” e “If You Ever Want To Be In Love”. Com as pessoas mais dispersas, a famosa “Let It Go” voltou a chamar a atenção do público para a apresentação do guitarrista.

Sara, estudante de Arte e Design no Instituto Politécnico de Coimbra, e Vera, estudante de Design de Interiores em Castelo Branco, experienciaram uma QF de Coimbra pela primeira vez e mesmo não conhecendo este primeiro artista esperavam por “uma noite de diversão”. As estudantes vieram a esta noite “não só, mas principalmente” pela apresentação de Van Zee. Depois da Festa das Latas no início deste ano letivo, o músico madeirense voltou à Praça da Canção em meio a um público fervoroso. Já antes da sua atuação, o motivo que trouxe Sara e Vera mostrou-se partilhado pelo número recheado de fãs ansiosos à frente do palco. Era 1h32 quando o artista desembarcou entre aplausos e gritos de um recinto cheio. “Perto” foi a música escolhida para iniciar a sua apresentação que, com outras das suas composições como “Só Dá” e “Amar de Cor”, manteve a maioria das pessoas coladas ao palco principal da QF’24. Além das letras já conhecidas, Van Zee marcou a sua ‘performance’ com o uso de efeitos pirotécnicos e dois convidados, Ivandro e pikika, que consolidaram um dos momentos mais animados da noite.

Inês, estudante na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Educação da Universidade de Coimbra, vem aproveitando as outras noites da QF’24. A jovem confessa que não têm nenhum motivo especial para aproveitar a noite, mas pôs grandes expectativas na performance de Vini Vici. O fogo e animação continuaram no máximo, assim como o volume, quando um dos membros da dupla israelita subiu ao palco principal pelas 2h45. A apresentação contou com as imagens coloridas e psicadélicas que caracterizam os artistas, e que mantiveram o público aos pulos. Foi possível ouvir e sentir vários dos remixes da sua autoria, que misturam a cultura pop, sons tribais e batidas fervorosas.

Pelas 4 horas, foi a vez do Coral Quecofónico do Cifrão garantir a animação no palco principal da QF’24. Apesar do recinto menos preenchido, a tuna ofereceu um espetáculo animado e carregado de tradição. Como louvor aos 30 anos do grupo, “Coimbra” foi a canção que iniciou a sua performance. A proximidade com o público contribuiu para vários momentos de diversão e gargalhada. “Quecofonia” e “A Epopeia” foram outros dos temas apresentados pela tuna académica, que aproveitou para fazer a transição de direção de tuna. Ficou nas mãos do grupo de estudantes encerrar as atividades no palco principal já com o público sentado pelo recinto. 

To Top