Festas Académicas

Reencontro de diversos estilos no Palco Secundário da QF’24

Jéssica Soares

‘Rap’, ‘hip-hop’, eletrónica e ‘blues’ presentes na sexta noite no Parque da Canção. Público vibra ao som da nostalgia gerada por Força Suprema. Por Jéssica Soares

No dia 27 de maio, sexto dia da Queima das Fitas 2024 (QF’24), o Palco Secundário contou com a presença de Sir Dinha Blues Band, com 9 Miller, acompanhado de Mizzy Miles e Yuzi, o grupo Força Suprema. Guilherme Barros DJ encerrou a noite.

Foi com um público reduzido, mas participativo, que foram recebidos os Sir Dinha Blues Band. Fiéis ao seu intuito de “Bringing Blues Back”, a banda levou o seu estilo musical ao Palco Secundário, com temas cantados não só em língua inglesa, como também em portuguesa. Entre as várias músicas tocadas, o ‘cover’ de “Chico Fininho” animou a plateia, que dançou ao seu ritmo. Depois de uma apresentação dos membros da banda e de uma última melodia, o vocalista declarou que o grupo ainda não tem nada gravado, mas “vai ter”.

Na plateia encontrava-se Patrícia Lima, uma residente do Porto que se dirigiu a Coimbra apenas pela QF’24, destacando Vini Vici como o ‘highlight’ do dia. Com 37 anos, Patrícia Lima disse gostar da experiência, permitindo-a conhecer mais artistas locais, e acrescentou ainda que não é uma prática no seu país de origem, o Brasil. Na ótica de Catarina Matias, estudante do Mestrado em Psicologia da Universidade de Coimbra, a QF’24 possui muitos dias de ‘reggaeton’ e ‘funk’, estilos que não gosta muito. Para a jovem, os destaques do dia foram Vini Vici e Força Suprema.

Ao entrar em palco, 9 Miller, na companhia de Mizzy Miles, foi acolhido por um público vasto e entusiasmado, ao performar temas como “Limonada” e, agitando ainda mais a plateia com “Filho da Guida”. Ao levarem o ‘hip-hop’ e o ‘rap’ ao recinto, os artistas mexeram com a multidão, que cantou as letras alegremente. Os dois ‘rappers’ fizeram-se ainda acompanhar de Yuzi, um músico do mesmo género que cantou algumas das suas novas canções, também bem recebidas pela plateia.

Enquanto aguardava pela subida ao palco do artista seguinte, Mariana Oliveira, de 28 anos, revelou que os destaques da QF’24 são 9 Miller, Força Suprema e Dillaz. A jovem de Coimbra referiu que o cartaz do evento é equilibrado, abrangendo os diferentes estilos, apesar de preferir o ‘hip-hop’. Também entre o público estava Hélder Portela, que veio de Aveiro apenas para ouvir 9 Miller e Força Suprema.

Força Suprema, grupo de ‘hip-hop’ e ‘rap’, teve a maior plateia que o Palco Secundário viu na noite de 29 de maio. A plateia, que os recebeu com uma enorme euforia, repleta de gritos, braços estendidos e telemóveis levantados, fez-se ouvir desde o momento em que os artistas começaram a ‘performance’ e intensificou-se quando se fizeram ouvir sons mais nostálgicos, como “Tipo do Ghetto” e “Urna”, que foi cantada após ser pedida pelo público. A atuação escolhida para fechar o palco foi Guilherme Borges DJ, que, apesar de não contar com um público tão vasto ou vocal como o grupo anterior, teve também uma plateia energética. O público dançava ao som de músicas como “That’s What I Like”, “Someone that I Used to Know” e “Smells Like Teen Spirit”, que foram alteradas de forma a refletirem o estilo eletrónico do artista.

To Top