Festas Académicas

Multiculturalidade e ecletismo caracterizam mais uma noite do Palco RUC

Liliana Martins

Da Espanha à Dinamarca e do punk à eletrónica, Palco RUC voltou a pautar-se pela diversidade. Estudantes elogiam singularidade da atração e mostram-se curiosas com atuações futuras. Por Liliana Martins

De regresso para a segunda noite de Queima das Fitas 2024 (QF’24), o Palco RUC animou mais uma madrugada no Parque da Canção. Noite dentro, neste sábado reinaram o ‘eletro-punk’, a atmosfera psicadélica e os ritmos electrónicos, aos quais o público não ficou indiferente. Iron Sight, Lunavieja e O Triunfo dos Acéfalos foram alguns dos artistas que subiram a palco num conjunto de atuações que durou quase sete horas.

Desta vez, coube a Parq a tarefa de inaugurar a noite. Ainda que para poucos espetadores, o artista da rádio anfitriã aqueceu o relvado com um ‘dj set’ de música ‘techno’ e eletrónica. Renata Mattironi era uma das presentes e, embora não seja estudante, revelou ser uma frequentadora assídua da QF, sobretudo do Palco RUC. A jovem enalteceu a diferença musical e de ambiente entre esta e as restantes atrações do recinto, algo que a faz retornar ano após ano.

Foi pela uma da manhã que o espaço começou a encher para dar aos boas-vindas a O Triunfo dos Acéfalos. A dupla de Santo Tirso fez a festa numa sinergia entre ‘punk’ e eletrónica moderna, acompanhada por guitarra elétrica e sintetizador. Lena Hertel e Francis Salema, alunos do segundo ano da Licenciatura em Sociologia, elogiaram a “mensagem política e sarcástica” das letras e a mistura de timbres. Quanto ao que ainda está por vir, os estudantes mostraram-se especialmente expectantes pelas atuações de Cookie Jane e DJ Danifox.

Diretamente de Málaga para Coimbra, os Lunavieja não deixaram ninguém parado no lugar. O quarteto trouxe à cidade dos estudantes sonoridades medievais – e, em simultâneo, psicadélicas – com percussões fortes e figurinos únicos. Finda a atuação dos espanhóis, foi a vez de Iron Sight pisar o palco. O artista dinamarquês apresentou melodias futuristas aliadas a vocais agressivos numa das presenças mais assistidas da noite.

Se, por um lado, no Palco RUC o ambiente era forte e explosivo, na tenda, por outro, viveu-se o romantismo e o R&B. TT abriu o espaço com lotação praticamente cheia e ofereceu ao público temas como “Baby, deixa-te levar”. Seguiram-se It’s a Trap e, para o adeus à segunda noite de QF’24, o já habitual DJ Luís Pinheiro com pop e funk brasileiro.

O Palco RUC encerrou da mesma maneira que abriu portas: com um ‘set’ de DJs. No desfecho, Ninja B2B Striga misturaram ‘techno’ com influências de ‘rock’ e os ritmos frenéticos da dupla acompanharam quem ainda estava presente até às 6 horas de uma noite que se fez multicultural e eclética.

To Top