Cultura

3º aniversário da Casa do Cinema de Coimbra é comemorado com notícia de reabilitação

Cedida

CMC investe 520 mil euros na requalificação da sala de cinema. Obras visam tornar espaço mais acessível ao público. Por Mafalda Adão

O terceiro aniversário da Casa do Cinema de Coimbra (CCC) foi comemorado entre os dias 9 e 15 de maio, durante os quais foi exibido um vasto programa cinematográfico na sala de cinema do centro comercial Avenida. Foi durante esta ocasião que o presidente da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), José Manuel Silva, revelou que está a ser planeado um projeto de requalificação do espaço, com início ainda este ano.

O presidente da Associação dos Caminhos do Cinema Português (ACCP), Tiago Santos, conta que a CCC surgiu de a necessidade deste festival ter um espaço próprio. Em 2020 houve um conjunto de esforços por parte da Administração Central que permitiu reforçar a área do cinema. Estas ações, juntamente com o programa Garantir Cultura, permitiu que, em 2021, o Centro de Estudos Cinematográficos (CEC) e a ACCP comprassem um projetor que antes não tinham. Deste modo, ambos passaram a ter as condições técnicas necessárias para a profissionalização do seu trabalho. Neste sentido, foi-lhes possível passar a ocupar a atual sala de cinema localizada no rés-do-chão do centro comercial Avenida.

Tiago Santos relata que, com o apoio do fornecedor da altura, conseguiram preparar a sala para o festival. E foi assim, que no dia 5 de novembro, que é o Dia Mundial do Cinema, foi exibido o filme “Um Punk chamado Ribas”. Foi feita uma divulgação mínima, mas o presidente relembra a sua surpresa quando, nesse dia, viu 30 pessoas dentro da sala à espera do início do filme. Explica que o facto de estarem a ocupar um espaço virado para a cidade permitiu-lhes receber um público diferente do esperado, mas “ávido a conhecer novas fotografias”.

Com o término do Festival Caminhos do Cinema Português e com o fim do apoio dado pela Administração Central, houve a necessidade de reinventar as atividades realizadas no espaço para que este pudesse ser rentável. “Foi-se ao encontro de uma instituição comercial, escolhendo títulos que fossem marcantes pela sua estética e qualidade ou que pudessem ser objetos de culto”, informa Tiago Santos. A partir desse momento começaram  a ter exibições durante quatro dias por semana, até que em outubro de 2022, passaram a ser diárias.

Desde a sua abertura que a Casa do Cinema de Coimbra procura promover o cinema português, mantendo um “contacto estreito com os realizadores e produtores nacionais, o que permite a realização de encontros sociais”, afirma o presidente. Acrescenta que também são desenvolvidas outras atividades, como a análise e comentário de filmes numa perspetiva académica, permitindo assim, que a “sétima arte seja um instrumento de ensino”.

Porém, apesar de algumas melhorias nas condições técnicas que permitiram, por exemplo, uma maior imersão na narrativa, o espaço encontra-se desabilitado. Neste sentido, a CMC vai investir cerca de 520 mil euros na requalificação do edifício, que terá início ainda este ano, em novembro, logo após o Festival Caminhos do Cinema Português. Em nota de imprensa, a CMC revela ser necessária uma “intervenção de requalificação ao nível da acessibilidade, segurança, isolamento acústico e conforto térmico das salas de exibição”.

De facto, esta reabilitação já teve início em janeiro com o “projeto de remodelação e de licenciamento de instalações elétricas e técnicas para as salas onde são exibidos os filmes, num investimento de 13.880€”, refere a nota de imprensa. No entanto, a sala situada no 7º piso do centro comercial Avenida ainda não vai sofrer remodelações, pois para isso é necessário um maior investimento.

O presidente da Associação dos Caminhos do Cinema Português espera que com a modernização da sala de cinema, a adesão do público aumente. Realça ainda a importância da Casa do Cinema de Coimbra: “é o cinema mais acessível que existe no país e ao mesmo tempo preocupa-se em dar cinema, não queremos dar pipocas, nem refrigerantes, o nosso objetivo é que as pessoas descubram novas filmografias”.

To Top