Cidade

Uma sala à espera de reconstrução

Por Tomás Araújo Barros

Casa do Cinema de Coimbra com problemas de infiltrações. Projeto de renovação a “médio prazo” em marcha. Por Tomás Araújo Barros

À entrada, os olhos descansam na grande tela e nas elegantes e compridas cortinas vermelhas que a balizam. O olhar depois expande e esse vermelho contrasta com o azul-escuro das várias filas de cadeiras que, separadas por dois corredores, vincam a profundidade de uma sala que, ainda que pequena, se faz grande pela sua história e pelo seu desgaste acolhedor.

Só depois é que se torna notória a fita vermelha e branca com um papel onde se lê, escrito à mão, “não sentar”, e que veda toda a ala direita das poltronas azuis. No cimo do corredor, e junto a essa ala, dois baldes amparam as gotas de água que vertem do teto.

“Temos um estaleiro ali na sala que não tem atratividade para o público”

O presidente do Festival Caminhos do Cinema Português, Tiago Santos, descreve o que fica à vista de todos os que entram na sala de cinema do Centro Comercial Avenida: desde janeiro que existe uma infiltração no teto. Acrescenta que, apesar de terem existido “alguns trabalhos de despiste para identificar a proveniência da água”, as perícias realizadas pelo condomínio “foram inconclusivas”.

“Começámos por ter uma poça dentro da sala, fomos remediando, as coisas foram ficando melhores, mas depois apareceram outras”, ilustra Tiago Santos. O presidente do festival de cinema garante que a situação “compete, efetivamente, ao condomínio resolver” e que está a causar “um prejuízo dramático” do ponto de vista da qualidade das sessões.

Embora as infiltrações no edifício não se cinjam à sala de cinema, é um assunto que “tem de ser resolvido o quanto antes, em que têm de se ativar os danos por água dos seguros das fações envolvidas”, como frisa o presidente do festival de cinema. Relembra que, embora a proveniência da água seja ainda um mistério, não é possível que as partes envolvidas fiquem a aguardar de “boa-fé que o problema se resolva”.

O trabalho de despiste também enfrenta alguns condicionamentos, em parte porque “as torneiras de segurança (de água) se encontram dentro de cada uma das lojas”, o que “torna todo o trabalho muito mais difícil”, como esclarece Tiago Santos. Neste sentido, acredita que “fica sempre dependente da boa vontade dos lojistas” para perceber de onde vem a água.

Por Tomás Araújo Barros

“Tudo leva tempo”

A Casa do Cinema de Coimbra (CCC) reabriu o espaço que era conhecido como “Cinema Avenida”, nome do Centro Comercial onde se encontra. Apesar do esforço de aproveitamento de um espaço histórico do universo cinematográfico, as necessidades de intervenção urgem. Assim determinou a Inspeção-geral das Atividades Culturais quando, em maio de 2022, realizou uma vistoria ao local. Foram elencadas 13 determinações de danos e irregularidades com necessidade de serem intervencionados, trabalhos esses que foram assumidos pela Câmara Municipal de Coimbra (CMC) quando adquiriu o espaço nesse ano.

Ainda assim, Tiago Santos frisa que “é importante focar naquelas que são as perspetivas de futuro e que vão melhorar as condições de segurança dos espetadores”. Uma vez que “estão a acontecer várias coisas em simultâneo”, no entender do presidente, é importante vincar que “não está somente a cair água do teto para o chão”.

Em fevereiro deste ano, a CMC avançou com o processo de requalificação do espaço, que comporta um investimento de 520 mil euros, em que já encetou um projeto de remodelação e de licenciamento das instalações elétricas e técnicas da sala. “Temos de trabalhar todos em conjunto, nós, condomínio e município, para melhorar as condições do usufruto cinematográfico daquela sala a médio prazo, porque tudo isto carece de estudos, aprovação e autorização de outras entidades”, apela Tiago Santos, ao adicionar que “tudo leva tempo”.

Trata-se de “um dos primeiros recintos do país a receber o cinema como forma artística”. Assim lê-se no manifesto da CCC, que procura mais do que projetar, mas também preservar a cultura e o património cinematográfico não só da Região Centro, como de todo o país.

To Top