Cidade

CMC promove sessão pública de debate sobre requalificação da zona Alta da Universidade

Afonso de Vasconcelos

Reduzir estacionamento na área da Universidade é prioridade do projeto. Modos de deslocação sustentáveis são objetivo a longo prazo. Por Camila Luís e Afonso Vasconcelos

A Câmara Municipal de Coimbra (CMC) dinamizou uma sessão relativa ao estudo prévio da Área de Reabilitação Urbana (ARU) Unidade/Sereia de modo a promover o debate público do projeto, no dia 9 de abril. A redução considerável do estacionamento da área da Universidade e da circulação automóvel, e o aumento da pedonalização são os principais objetivos da iniciativa. Na apresentação estiveram presentes a vereadora do Urbanismo, Mobilidade e Espaço Público da CMC, Ana Bastos, e o vice-reitor da Universidade de Coimbra (UC) com as áreas do Património e Edificado, Alfredo Dias.

A participação dos presentes foi realizada através da distribuição de folhas, nas quais estes escreveram as suas opiniões, que foram depois lidas e debatidas pelos interessados. Paula Cristina Adelino Ferreira, professora na UC, foi uma das intervenientes, e frisou pontos ruturantes do plano, como a “mobilidade dos trabalhadores da Universidade que vivem nos arredores” e as “poucas linhas a funcionar nas horas que as pessoas mais precisam”.

Numa tentativa de “retirar ao máximo os veículos da área universitária”, segundo Ana Canelas, arquiteta encarregue do projeto, “eliminar todo o estacionamento junto à zona central do Largo D. Dinis e da Rotunda do Papa é necessário”. Ana Bastos defendeu ainda que deve ser feita uma qualificação do conjunto de praças e ruas com forte componente patrimonial, e que o estacionamento que persistir, deve ser cobrado, de forma a incentivar a rotatividade de lugares. Para a vereadora é fulcral evitar que esse espaço seja utilizado apenas por um indivíduo um dia inteiro, como se verifica atualmente.

Ana Bastos enfatizou também a importância da iniciativa: “é da discussão que surge a solução”. Acrescentou que é através do debate que se pode “conseguir compilar e articular várias posições”. Segundo a vereadora, o foco deve passar por “devolver o espaço às pessoas” e tornar a cidade “mais humanizada”. Referiu ainda que o projeto em questão só vai arrancar após o ‘metrobus’ do Mondego estar em funcionamento, sendo o seu principal objetivo sensibilizar os conimbricenses a recorrerem a modos de deslocação sustentáveis – transportes coletivos, andar a pé, bicicleta ou trotinete.

No que diz respeito ao congestionamento na zona da Alta Universitária de Coimbra, Ana Bastos aponta como a principal causa os “grandes polos de estacionamento” que motivam os cidadãos a deslocar-se de carro para essa zona da cidade. A solução passa assim pela eliminação gradual destes locais, que vão levar “as pessoas a ir a pé ou noutros modos”, pois os seus veículos individuais vão ser deixados na periferia da cidade, e, por conseguinte, o trânsito vai diminuir.

A vereadora defende ainda que um espaço público como o Polo I da UC deve ser “voltado para as pessoas e não para os carros” e que nos dias de hoje assiste-se “à dominância do veículo automóvel”. Neste sentido, Ana Bastos considera ser fundamental um esforço conjunto para transformar este local num “sítio agradável” do qual se possa usufruir. Até 11 de abril encontra-se em aberto o período de auscultação pública para todos os interessados que podem manifestar a sua opinião via e-mail ou em locais próprios, como a Loja do Cidadão, o Mercado Municipal D. Pedro V, e o Atendimento Público da CMC.

To Top