Ensino Superior

AAC apresenta estudo sobre a realidade da UC

Guilherme Borges

Estatísticas apontam para balanço positivo desde última edição, publicada em 2019. Documento integra propostas de alunos para alterações a planos de estudos. Por Guilherme Borges e Francisca Costa

No dia 15 de abril, pelas 11 horas, no Auditório do Laboratório Chimico, a Associação Académica de Coimbra (AAC) apresentou o livro “UC à Lupa”. O documento, elaborado pela Pedagogia da Direção-Geral da AAC (DG/AAC) em conjunto com os núcleos de estudantes, visa apurar os problemas pedagógicos sentidos pelos alunos. A vice-presidente da DG/AAC com a pasta dos núcleos, Sofia Duarte, exaltou a importância de realizar um estudo confiável sobre as condições na Universidade de Coimbra (UC).

Os capítulos introdutórios do livro são: “Ensino e Métodos de Avaliação”, “Infraestruturas” e “Docência e Investigação”. Seguem-se os temas “Mobilidade e Empregabilidade”, “Organização Administrativa e Apoio ao Estudante” e “AE3S e Acreditação dos Cursos”.

Carolina Cardoso e Constança Ferreira, membros da Pedagogia da DG/AAC, apresentaram os dados dos gráficos que compõem o livro e que serviram como “inspiração para as propostas de mudança” incluídas no final de cada capítulo. Durante a menção dos resultados, foi destacado o subcapítulo “Alimentação, Alojamento e Bolsas de Estudo”, em que 100% dos núcleos consideraram insuficiente o número de residências universitárias. Em relação a este cenário, o presidente da DG/AAC, Renato Daniel, responsabilizou o Governo pela falta de camas.

Foi também citado o subcapítulo “O Risco da Endogamia”, situação que ocorre quando o docente leciona na mesma instituição em que se formou. O presidente da DG/AAC apontou que isto significa uma menor abertura a ideias externas e argumentou que o “envelhecimento do corpo docente é o fator que mais tem contribuído para esta realidade”.

O dirigente comparou ainda as estatísticas apresentadas nesta nova edição com as da última, realizada em 2019. Deste balanço foi possível à AAC “atribuir uma nota positiva à qualidade do ensino da UC, bem como à melhoria na acessibilidade dos espaços”, garante Renato Daniel. 

Como novidade desta edição, o último capítulo deu espaço aos alunos para sugerirem alterações nos planos de estudos, recolhidas pelos núcleos de estudantes. Renato Daniel perspetiva a continuação da auscultação ao longo dos próximos anos para que, desta forma, seja possível a elaboração de um estudo sobre a acreditação dos cursos. Este documento “vai ser futuramente debatido com a comunidade reitoral”, conclui o dirigente.

To Top