Ensino Superior

Sessão de abertura arranca 1º Encontro Nacional de Jornalismo Universitário

Rafael Saraiva, Secção de Fotografia da AAC

Primeira edição do Encontro Nacional de Jornalismo Universitário já não acontecia desde 1961. Organização prevê um fim-de-semana com discussões profícuas e acredita que está “a fazer história”. Por Sofia Moreira

Na noite de 22 de março, o Auditório da Reitoria da Universidade de Coimbra (UC) sediou a abertura da primeira edição do Encontro Nacional de Jornalismo Universitário 2024 (ENJU’24), co-organizado com a Câmara Municipal de Coimbra (CMC). O evento, que ocorre entre os dias 22 e 24 de março, tem como anfitrião o Jornal Universitário de Coimbra – A CABRA, tendo sido, no entando, organizado em conjunto com o jornal da Universidade do Minho, ComUM, o Jornal Universitário do Porto (JUP) e o Jornal Diferencial, do Instituto Superior Técnico de Lisboa. Como oradores da primeira sessão, participaram André Ribeiro, vice-presidente da Direção Geral da Associação Académica de Coimbra, Delfim Leão, vice-reitor da UC e o presidente da CMC, José Manuel da Silva.

Para marcar a abertura com um momento de fado, introduzindo os estudantes visitantes das mais variadas zonas do país à cultura e Canção de Coimbra, apresentaram-se Diogo Pinto, na voz, Guilherme Miranda, na guitarra, e, à viola, Eduardo Neves. A par dos jornais organizadores, estiveram presentes estudantes de Lisboa, do Porto, do Minho e de Coimbra, de diferentes redações universitárias.

Ana Filipa Paz, diretora do Jornal Universitário de Coimbra – A CABRA, presidiu a sessão, ressalvando os afradecimentos às entidades parceiras, e a todos os estudantes presentes. “Nunca pudémos imaginar que tantas pessoas se juntassem a nós na preocupação e paixão pelo jornalismo universitário”, confessa. João Carranca, diretor do jornal Diferencial, foi o responsável por dar o primeiro passo em direção à concretização do evento, em outubro do ano passado. Depois de agradecer aos restantes jornais por terem aceite o convite para organizar o evento, pontuou algumas dificuldades ultrapassadas do evento e comemorou as mais de 70 inscrições. Também Inês Miranda, do JUP, e Lara Freitas, do jornal ComUM, subiram ao púlpito e desejaram a todos um profícuo encontro.

Nos discursos das entidades institucionais convidadas, foi comum a abordagem dos desafios do jornalismo como profissão, em especial a oportunidade e o risco representados pela inteligência artificial. André Ribeiro deixou uma mensagem de esperança aos colegas, na qual se mostrou solidário com a atual crise do jornalismo e defendeu a luta por melhor condições laborais para todos os profissionais, “em prol de uam sociedade que se diz livre e democrática”. O vice-reitor pontuou ainda que é “muito importante momentos de reunião como estes”, para que seja possível discutir e fazer evoluir o jornalismo, começando na redação de cada órgão académico.

A cidade dos estudantes preparou-se para receber todos os jornalistas universitários durante o fim-de-semana, tendo sido destaque as mesas redondas sobre a fundação do jornalismo académico, os desafios destes órgãos de comunicação e os impactos da crise de precariedade. Os participantes tiveram ainda oportunidade de realizar grupos de trabalho, a partir dos quais foram retiradas as principais conclusões para redação de um documento reivindicativo a ser editado por todos e, numa segunda fase, enviado a entidades competentes para a regulação da profissão e fomração em jornalismo.

Fado, repúblicas e histórias não faltou na passagem destes estudantes por Coimbra, que sairam com um grande sentimento de satisfação e concretização. Além de propostas, saíram deste ENJU’24 ideias de colaboração entre órgãos e novos projetos.

Para os leitores do Jornal A CABRA, está a ser preparada uma edição especial sobre o Encontro Nacional de Jornalismo Universitário, em formato impresso, a ser publicada no mês de maio. Fiquem atentos.

To Top