Cidade

CMC apresenta projeto para revitalização de Coimbra-B

Luísa Malva

Iniciativa ambiciona transformar estação em ponto de conexão de diversas modalidades de transporte. Finalização da estação prevista para 2030. Por Catarina Duarte e Luísa Malva

O Plano de Pormenor da Estação Intermodal de Coimbra foi apresentado no Salão Nobre da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), pelas 9h45 da manhã. O projeto conta com o desenvolvimento da atual estação Coimbra-B e a conceptualização de um espaço que visa renovar a zona entre a estação e a baixa da cidade. O plano aposta na multifuncionalidade dos diferentes meios de transportes em Coimbra, onde o Metro Mondego complementa o caminho de ferro. A proposta tenciona incorporar o serviço de alta velocidade entre Porto-Lisboa, sendo Coimbra “vital” na centralidade do trajeto, explica Joan Busquets, arquiteto responsável.

Na sessão de apresentação foi sublinhada a necessidade de intervenção no atual modelo de transportes da cidade. Para Joan Busquets, é do interesse da proposta “estender a Baixa de Coimbra até à estação intermodal”. Explica que através do Metro Mondego, que vai ligar a estação até à baixa da cidade, vai ser possível realizar o percurso em menos de 5 minutos. No planeamento foi priorizada a incorporação de modelos ativos de transporte, com a criação de uma ciclovia para a realização do percurso por bicicleta.

Para Ana Bastos, vereadora de Infraestruturas e Espaços Públicos, o desenvolvimento do plano é “um passo em frente na transformação de uma zona que carece evolução”. A iniciativa ambiciona transformar Coimbra-B num ponto de conexão central de diversas modalidades de transporte. Para Frederico Francisco, secretário de Estado das Infraestruturas de Portugal, o projeto permite “transformar a cidade”. Joan Busquets propõe incorporar “o sistema natural que abraça a cidade” com a modernização e o “planeamento verde” nos dois lados do rio.

O planeamento conta com a construção de uma ponte rodoviária sobre o Mondego, que atravessa a Mata Nacional do Choupal, e uma nova gare rodoviária. Propõe, ainda, a criação de um corredor verde que passa por baixo do viaduto IC2. Carlos Fernandes, vice-presidente das Infraestruturas de Portugal, acredita na aposta no sistema de alta velocidade. Explica que a consolidação do sistema em Portugal vai aproximar Portugal de Espanha, e Coimbra ao Porto e a Lisboa. Segundo o engenheiro, vai ser possível chegar ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, em 37 minutos, com um preço que pode rondar os 25 euros.

Para o Presidente da CMC, José Manuel Silva, a realização do plano vai fomentar uma cidade “inovadora” com a presença de um “urbanismo modernizador capaz de alterar a cidade”. Ana Bastos prevê a finalização da estação intermodal para 2030. Contudo, a vereadora mantém-se aberta à discussão do projeto e a beneficiações por parte de interessados.

To Top