Ensino Superior

Fórum Internúcleos planeia manifestação para o Dia Nacional do Estudante 

Cedida

Iniciativa de luta por direito à habitação aprovada por unanimidade. Revisão do RJIES foi tema central de debate. Por Guilherme Borges e Inês Reis

O Fórum Internúcleos da Associação Académica de Coimbra (FI/AAC) teve lugar na vila da Lousã entre os dias 16 e 18 de fevereiro. A iniciativa contou com a presença de mais de 50 dirigentes em representação dos Núcleos de Estudantes da AAC e de elementos da Direção-Geral da AAC (DG/AAC). Na ordem de trabalhos estiveram o debate acerca da revisão do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES) e as comemorações do Dia Nacional do Estudante. 

A vice-presidente da DG/AAC, Sofia Duarte, destacou que o principal objetivo do evento foi “organizar um fórum que tivesse efeitos práticos concretos, ou seja, que os trabalhos tivessem realização” e que é fundamental “diversificar os temas dos FI/AAC”. Quanto ao papel dos núcleos, a dirigente sublinhou que a participação destes órgãos na discussão é fundamental, visto que complementam “a vertente política da DG/AAC com a competência pedagógica”.

No FI/AAC deste ano, aspetos como o acesso e inclusão, a participação estudantil e a qualidade de ensino marcaram as discussões sobre a revisão do RJIES. A problemática que concerne este documento deve-se ao facto de ter sido criado em 2007 com a previsão de ser revisto de cinco em cinco anos, algo que nunca se chegou a concretizar. Segundo Sofia Duarte, é necessário “rever o RJIES de acordo com a modernidade que existe no Ensino Superior, visto que já passaram mais de dez anos”. 

Do debate resultou ainda a aprovação por unanimidade de uma manifestação com o mote “Teto e Habitação, direito à Educação”, que se vai realizar a 21 de março em Lisboa, no âmbito do Dia Nacional do Estudante, celebrado dia 24 do mesmo mês. A vice-presidente da DG/AAC acrescenta que esta iniciativa visa combater “um dos grandes obstáculos ao Ensino Superior: o aumento das rendas”. Ao reconhecer que é ambicioso levar os estudantes de Coimbra a participar numa ação na capital, a dirigente destaca a importância da proximidade que os núcleos têm com a comunidade estudantil, essencial à mobilização.

No encontro também estiveram presentes representantes dos pelouros de Política Educativa e de Política Académica, que ficaram responsáveis pela redação das decisões relativas a esses âmbitos. Após a conclusão dos debates, a DG/AAC comprometeu-se a “utilizar o que foi extraído do FI/AAC para incluir na sua política reivindicativa” e a “apresentar um documento complexo a ser revisto ao longo do mandato”.

To Top