Ensino Superior

Comissão Organizadora da Queima das Fitas 2024 toma posse

Raquel Lucas

Presidente da DG/AAC elogia trabalho feito pelas comissões dos últimos anos. Herança e inspiração transgeracional da Queima das Fitas são características destacadas por dux veteranorum. Por Jéssica Soares

A tomada de posse da Comissão Organizadora da Queima das Fitas 2024 (COQF’24) teve lugar no dia 28 de fevereiro, pelas 19h, na Casa das Caldeiras. A presidente da Mesa da Assembleia Magna da Associação Académica de Coimbra (MAM/AAC), Carolina Rama, o presidente da Direção-Geral da Associação Académica de Coimbra (DG/AAC), Renato Daniel, e o dux veteranorum, Matias Correia apresentaram o evento.

Após o agradecimento da presidente da MAM/AAC aos membros associados da COQF’24  e ao público presente, Carolina Rama passou a chamar ao palco os comissários eleitos de cada faculdade. Pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (UC), foi eleito João Gonçalves; pela Faculdade de Direito da UC, Beatriz Marques; pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC, Natacha Fernandes; pela Faculdade de Letras da UC, Gonçalo Pereira; pela Faculdade de Farmácia da UC, Raquel Lourenço; pela Faculdade de Economia da UC, Nádia Sequeira; pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da UC, João da Cruz; pela Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da UC, João Gonçalves. Seguindo-se a convocação da coordenação técnica ao púlpito.

O presidente da DG/AAC constatou que a Queima das Fitas “é uma estrutura sob sem a qual a AAC não poderia existir”. Renato Daniel declarou ainda que os últimos anos têm sido de “profunda excelência”, regulados pelo Coordenador Geral da QF, Carlos Míssel. Depois de desejar a maior das sortes à equipa de 2024, o dirigente deixou uma “nota de companheirismo e amizade” em nome da estrutura que representa, afirmando que a COQF’24 pode contar com a DG/AAC.

Ao dux veteranorum coube o papel da contextualização histórica da tradição, que este ano celebra 125 anos. Assim, Matias Correia realçou a ligação às gerações passadas, mas também a importância de “almejar a inspirar as futuras”. O estudante sublinhou que, ao deixar um legado, a comissão contribui para a notoriedade da QF de Coimbra, em muito caracterizada pelo “sentimento, ligação e raiz” provenientes da transgeracionalidade tradicional. O dux veteranorum finalizou a sua intervenção com o seu voto para que a COQF’24 faça jus aos 125 anos.

To Top