Cidade

Baixa de Coimbra volta a acolher o carnaval brasileiro

Cedida por Rodrigo Silveira

Evento pretende fomentar “integração entre comunidade portuguesa e imigrantes” e fazê-los “sentir-se em casa”. Condições climatéricas não preocupam organização. Por Catarina Duarte e Bárbara Monteiro

Nos dias 10 e 11 de fevereiro, as ruas da Baixa acolhem animações e espetáculos de comemoração do Carnaval de Coimbra 2024. O evento, realizado em colaboração com a Câmara Municipal de Coimbra (CMC), a Peripécias Culturais – Associação Cultural e Artística e a União de Freguesias de Coimbra conta com a presença de vários grupos e artistas brasileiros, assim como várias atividades para o público mais jovem. Rodrigo Silveira, presidente da associação, realizador da festa e diretor artístico de uma das atrações denominada Bloco do Beco, revela o seu objetivo de “espalhar o ritmo do carnaval, não numa avenida fechada, mas num percurso que enche ruas e dissemina a alegria e a música”.

O grupo percussivo dirigido pelo realizador foi criado de maneira independente no seguimento das festas de Carnaval de Coimbra em 2020, a partir do Grupo do Beco, um coletivo de samba. Rodrigo Silveira apontou para a “falta de um bloco de rua” na cidade, pelo que quis “trazer a animação de carnaval” em conjunto com o Grupo, num projeto pioneiro que, dois anos após sua concretização, ganhou apoio da CMC. Sobre os primeiros anos de realização, o dirigente revela que “adquiriu consciência da importância do movimento para a integração comunitária”, em função da “aproximação das diversas nacionalidades que o evento proporciona”.

Esta interseção entre culturas é favorecida pela elevada adesão dos imigrantes brasileiros, de acordo com Rodrigo Silveira. Continua ao argumentar: “quando vimos a quantidade de gente que saiu às ruas o ano passado, percebemos o quanto este movimento é importante para a união entre os imigrantes e os portugueses”. Fazer com que a comunidade estrangeira “se sinta mais em casa” é uma das principais metas do realizador.

A participação do Bloco do Beco nas festividades inicia-se logo na abertura: após uma programação infantil às 11 horas e o início dos espetáculos às 15, o Grupo, o Bloco do Beco, e os seus convidados vão suceder a primeira performance da DJ Adri Menegale.  Às 17 horas, o Bloco segue com a Combrass Band , cuja parceria o realizador acredita que “vai dar uma nova cara” ao cortejo, e os concertos acabam à meia-noite.

No dia seguinte, o evento abre no mesmo horário e é marcado pelas atuações da DJ Pati Sol, que depois vai dar lugar ao grupo Muzenza de Capoeira, e então vão ao palco Adriana Ramalho e a banda BackTo Bahia, acompanhados pelo contributo especial de Janine Mathias. Para as 17h30 está agendado um novo cortejo, desta vez apenas com Bloco do Beco, e as atividades dão-se por encerradas à mesma hora do dia anterior.

Após o fim de semana repleto de atividades, vai haver no dia 13 de fevereiro uma exposição fotográfica voltada para os mais pequenos onde a história do Carnaval é retratada, assim como outras atrações. A exibição vai ter lugar no centro comercial Coimbra Shopping.

Apesar da previsão de chuva, Rodrigo Silveira mostra-se confiante no que diz respeito à aderência do público à festa: “não vai ser o mau tempo que vai acabar com a alegria do carnaval”.

To Top