Desporto

Vitória marca Briosa na liderança da Liga 3

Iris Jesus

AAC/OAF estreia primeira parte em vantagem com um golo solitário. Tiago Moutinho convoca adeptos para próximo jogo. Por Larissa Britto e Iris Jesus

O dia 9 de dezembro ficou marcado pela quarta vitória consecutiva da Associação Académica de Coimbra – Organismo Autónomo de Futebol (AAC/OAF). Numa noite de céu limpo, a equipa recebeu o Futebol Clube de Oliveira do Hospital em casa, saindo vencedora com o placar de 1 a 0. Com este êxito, a equipa da Casa lidera a Liga 3, afastada do segundo colocado com uma vantagem de três pontos. 

A bola rolou às 20h33 e a Briosa mostrou-se preocupada na procura da vitória, visto que, logo ao primeiro minuto, Francisco Ferreira, jogador da AAC/OAF, tentou um remate ao golo, sem sucesso. Após este início, a partida revelou-se equilibrada, com as duas equipas empenhadas em tentar finalizar um ataque, mantendo o jogo pelo meio de campo. Neste sentido, a Académica posicionou-se ao ataque e David Teles marcou o golo da partida aos 11 minutos, num cabeceamento após um cruzamento de Francisco Ferreira . 

Numa bancada ao rubro em cânticos pela equipa do “Calhabé”, Oliveira do Hospital tentou diversas jogadas para o golo, que resultaram apenas em bolas fora ou defesas de Carlos Alves, guarda-redes dos Capas Negras. Aos 22 minutos, um lançamento que atravessou a linha lateral da equipa adversária, favoreceu a Académica ao resultar num canto de Vítor Gabriel. Nos minutos restantes da primeira parte, destacam-se as tentativas de remate da Briosa e as faltas cometidas por jogadores de Oliveira do Hospital, que resultaram em dois cartões amarelos, atribuídos a Rivaldo Morais e Paulo Grilo.

O segundo tempo teve início às 21h36, com a equipa visitante a insistir numa postura ofensiva, contrastante com a Académica, que assumiu uma posição de defesa. Em seguida, David Teles recebeu um cartão amarelo depois de cometer uma falta contra Oliveira do Hospital. Já aos 50 minutos, a equipa rival tentou uma finalização com Valter Zacarias, que conseguiu driblar a defesa dos Capas Negras. No entanto, este remate foi defendido por Carlos Alves, num choque contra o jogador da equipa Serrana. Após o acidente, o guarda-redes da AAC/OAF sentiu-se mal e precisou de assistência médica.

Aos 72 minutos, Diogo Nascimento, parte da defesa do Oliveira do Hospital, comete uma falta contra João Silva, jogador da Briosa, e recebe o seu primeiro cartão amarelo da prova. Cinco minutos depois, Juan Perea aproveita uma bola e faz um remate à baliza, marcando um golo para a Académica. Apesar do grande apoio nas bancadas, o golo foi logo invalidado pelo árbitro auxiliar, que o considerou como fora-de-jogo. Durante o final da segunda parte assistiu-se a uma forte disputa entre os dois adversários pelo meio de campo. 

Em conferência de imprensa, o treinador da equipa de Oliveira do Hospital, Pedro Machado, destaca os erros individuais dos jogadores, que levaram a uma “derrota coletiva”. Acrescenta elogios ao desempenho da equipa da Casa, que “assumiu o controlo do jogo”, começando com uma entrada “muito forte”. Quando questionado sobre a prestação da arbitragem, Pedro Machado realça que “é muito difícil ser árbitro em Portugal”, considerando o desempenho neste jogo positivo.

O treinador da Académica, Tiago Moutinho, frisa que a equipa está cada vez mais próxima dos objetivos, uma vez que este é o quarto jogo consecutivo que ganham sem sofrer nenhum golo. Com esta vitória, o mesmo antecipa que os adversários “venham com tudo” nas próximas partidas, a fim de vencer: “estamos em primeiro, somos um alvo a bater”. Além disso, destaca que a principal preocupação da equipa técnica, neste momento, “está no emocional dos jogadores”, visto que, é importante que se mantenha “a paixão pelo jogo”.

Sobre a dinâmica da equipa, o treinador salienta o foco no coletivo, e destaca o esforço dos jogadores para este fim, defendendo que “estiveram todos muito bem”. Apesar de entender que as vitórias trazem a evolução, Tiago Moutinho reforça que o trabalho da equipa é o verdadeiro motor da mudança. Para si, “quem não pensa em coletivo não tem lugar na Académica”. 

Tiago Moutinho finaliza, deixando um apelo aos adeptos para comparecerem ao próximo jogo da equipa, que antecipa que vai ser “difícil”, e acrescenta que espera vencer em casa para ter uma vantagem pontual nos jogos de 2024. A Académica volta aos relvados do Calhabé no próximo dia 16 de dezembro, às 11 horas, contra o Sporting Clube de Portugal B, para a última partida de 2023.

To Top