Cultura

“Como é que se inventa?”: Marionet dinamiza Oficina de Teatro e Ciência

Cedida por Carolina Andrade

Iniciativa é dirigida a pré-adolescentes. Carolina Andrade refere que atividade surge como forma de “explorar criatividade sem seguir plano à risca”. Por Solange Francisco

Entre 18 e 22 de dezembro vai realizar-se a segunda Oficina de Teatro e Ciência, organizada pela Marionet, companhia de teatro conimbricense localizada na Rua Carlos Seixas. Esta formação vai ser dinamizada por Vicente Paredes e Carolina Andrade, produtores-executivos do grupo. A temática central é a “criação, unindo a investigação científica com a produção artística”, de acordo com a organizadora. As idades para participar nesta atividade vão dos 9 aos 13 anos.

O grupo Marionet, que já tem 23 anos, foca-se, desde a sua origem, no cruzamento das artes performativas com a ciência. “Como é que se inventa? Será que há uma fórmula? Será que artistas e cientistas usam métodos semelhantes, aplicando-os ao seu trabalho específico?” são as dúvidas a que este projeto pretende dar resposta em conjunto com os participantes.

Segundo Carolina Andrade, “a Oficina está dividida como num processo científico”, pelo que cada dia da semana equivale a uma “etapa”. Iniciado com um ‘brainstorming’ de ideias, a iniciativa visa criar uma conversa entre um artista, um cientista e os mais novos, em que estes últimos vão poder colocar as suas dúvidas. De seguida, vai haver um momento para “explorar o mundo lá fora” e, nesse contexto, assistir a uma exposição sobre o tema mais relevante apontando pelas crianças.

A Oficina tem como “resultado final” um espetáculo para os pais: “vai ser uma pequena atuação para os participantes terem reconhecimento do trabalho que fizeram durante a semana”, aponta Carolina Andrade. Ambos os produtores deixam claro que todos os passos vão ter em conta as opiniões dadas pelas crianças no primeiro momento de debate.

A estratégia de divulgação desta iniciativa é mais direcionada para os pais porque “são os encarregados de educação que decidem o que os seus filhos fazem”, esclarece a produtora. Ainda, os organizadores distinguem esta formação da educação escolar, já que surge “no contexto de explorar a criatividade sem seguir um plano à risca”.

O custo da Oficina é de 70 euros e a participação neste projeto está limitada a 10 inscrições, com duas vagas extras para crianças que não têm a possibilidade de pagar este valor. No próximo ano, Carolina Andrade e Vicente Paredes deixam em aberto as atividades a desenvolver.

To Top